quinta-feira, 20 de novembro de 2008

FREANDO PARA ACELERAR

De todas as alterações previstas no regulamento da F1 para 2009 (voltam os pneus slick, saem aqueles apêndices aerodinâmicos horríveis, muda o aerofólio traseiro, a asa dianteira terá angulação variável...) provavelmente a mais polêmica e interessante é a que propõe o reaproveitamento da energia cinética (KERS – Kenetic Energy Recovery Systems) gerada nas freadas para aumentar a potência dos motores.
Como tudo que é novo, o KERS está longe de ser uma unanimidade entre as equipes de F1. Além dos problemas de segurança já ocorridos - como o choque no mecânico da equipe BMW ou o incêndio na equipe Red Bull, que paralisou a fábrica por duas horas - os engenheiros questionam até que ponto um aumento de no máximo 80 HP de potência no motor contra um acréscimo no peso do carro em aproximados 60 quilos, vai valer a pena. Além disso, os projetistas demonstram preocupação em relação ao equilíbrio e a aerodinâmica, tendo em vista que o equipamento ficará na parte traseira do carro.
É bom lembrar que o KERS não é exatamente uma novidade. Em 1999, o engenheiro de motores da Mercedes-Benz Mario Illen já desenvolvia esquema parecido que prometia um acréscimo de 45HP nos motores, mas que, por ironia, foi barrado pela própria FIA.
Como seu uso será opcional em 2009 e obrigatório apenas em 2010, haverá ainda muito tempo para desenvolvimento e discussão.

Haja choque!

(reprodução - photo and idea by Dú)

3 comentários:

Cuore Sportivo disse...

Se estão tão preocupados com renovação de energia, deveriam promover a utilização de 100% de combustíveis e lubrificantes ecologicamente corretos.

Que a FIA vá plantar árvores...

Buonanno disse...

ou batatas

yatyr disse...

O KERS ainda vai dar muito o que falar, mas é algo interessante, se imaginarmos quanta energia é perdida nas freadas. Assim como muita coisa desenvolvida no automobilismo está nos carros de hoje (freios a disco, por exemplo), este dispositivo poderá, algum dia possibilitar carros de passeio muito mais econômicos. Abaixo o desperdício! Torço para que dê certo!