segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

A SINFONIA DOS MOTORES

O ronco dos motores dos carros esportivos tem sido motivo de pesquisa das fábricas. Dentro do possível, elas têm tentado mantê-los o mais parecido possível dos modelos tradicionais, pois está provado que o ronco do motor é o cartão de visita dessas máquinas. Atualmente os laboratórios feitos para essas pesquisas são verdadeiras câmaras anecóicas, similares às modernas salas de gravação musical. O Diretor Técnico da Ferrari, engenheiro Roberto Fideli, explica que os motores são como instrumentos musicais e que o número de cilindros, entre outras coisas, os faz soar diferente. Diz também que o mercado consumidor de Ferrari pede por uma sonoridade sempre maior. Diz ele: “Toda vez que fazemos uma escolha que para nós parece ser o limite aceitável de ruído, sempre há alguém pedindo mais”.
Já os clientes de Sttutgart são diferentes. Eles desejam que o atual motor soe como o tradicional 911 refrigerado a ar. O engenheiro Antonio Tissi, responsável pela área na Porsche, comenta que com a mudança para motores refrigerados a água eles tiveram dificuldades em conseguir a sonoridade tradicional. Diz ele que a fábrica trabalhou em outros parâmetros para criar um som artificial o mais próximo possível do original.
A seguinte frase do maestro Herbert Von Karajan, considerado um dos maiores maestros de todos os tempos, confirma a importância que o ronco dos motores exerce no sucesso de um automóvel. Dizia ele: “A única emoção mais forte que a Nona Sinfonia de Beethoven que eu experimento é quando ligo o V12 da minha 250 California”.

Tio Karajan sabia das coisas.
(reprodução Autocar)

3 comentários:

Macarrão disse...

Vou começar por aqui te mandando um link que tem a ver com o seu post.

http://www.autoblog.it/galleria/big/ferrari-california-configuratore-online/1

Abraço !!! Já virei fã do blog e vou colaborar sempre !!!!

Flavinho .

Buonanno disse...

Flá, legal que tenha gostado. Obrigado pela link. Nós criamos um e-mail próprio para contribuições.
É:
Comparsacolaborador@gmail.com.

Se o link for o que eu estou pensando, vou aproveitar neste post mesmo.

A melhor dica concorre a um passeio de Ferrari, Porsche ou Lambo o que estiver disponível na hora. Para falar a verdade, é sempre de Ferrari porque a Lambo tá sempre na oficina e o Porsche é sempre igual a 60 anos e já está todo mundo de saco cheio.

Um abraço e não esqueça de ver os outros posts. São muitos daqui para baixo.

yatyr disse...

Boa Buonanno! Interessante artigo! Esse maestro entendia das coisas! Inclusive, assessorou a Sony na criação do CD, que tem o tamanho que tem para caber a nona de Beethoven inteirinha, com a qualidade sonora exigida por ele!

Quem já assistiu a F1 ao vivo percebe muito bem a diferença de sonoridade dos motores. As Ferraris sempre soaram muito bem, seja com 8, 10 ou 12 cilindros. Lembro inclusive da época em que corriam motores da Lamborghini: o som era muito xoxo, compatível com o pífio desempenho...