domingo, 11 de janeiro de 2009

BAR DA CARMELA, no Bexiga...


O cabra está anos luz de distância, mas não esquece dos comparsas na terrinha. Ricardo Divilla manda essa da terra do Sol Nascente...
"Este é um DOCUMENTO HISTÓRICO e deve ser guardado como uma raridade: Elis Regina era recém chegada de Porto Alegre, nos anos sessenta. Canta com Adoniran Barbosa, numa mesa de bar, uma música que ele acabara de compor para sua noiva IRACEMA, que morrera atropelada em plena Avenida São João, uma semana antes do seu casamento. (Aumente o som).

Pena é que a fotografia não é das melhores - A particularidade é que a maior parte das pessoas ignoram que o samba nasceu do atropelamento da noiva do Adoniran".

5 comentários:

Chico Bento disse...

êta saudade da baixinha...

F250GTO disse...

Saudades do João Rubinato, o grande comparsa Adoniram Barbosa.

Primo disse...

Grande Juão...já nasceu comparsa !!!

Helio Herbert disse...

É uma pena que a geração de hoje não conhece a fera...Mesmo quando éramos jovens,prestavamos atenção nos cantores que permeavam a imaginação de nossos pais com suas musicas,Ataulfo Alves,Francisco Petronio,Carlos Galhardo,Nelson Gonçalves,e tantos outros.Nosso momento era o Rock em suas mais variadas tendencias,mas nem por isso deixavamos de ouvir esses cantores mais velhos,vai ver essa é uma das várias razoes que nos fizeram Comparças.

jovino disse...

Gostei da dupla aí. Elis que eu gosto muito e o Adoniran Barbosa, que é um dos poucos que faziam samba de qualidade e principalmente em São Paulo, pois na época, samba era tido como coisa de carioca.
Tenho alguns Vinis dele e as músicas que mais gosto dele são Samba do Arnesto e Saudosa Maloca.
O interessante do trabalho dele e de suas ótimas letras era de aspectos paulistanos em suas letras como o bairro de Bexiga, do Bras, da Vila Esperança e sua letras eram como o povão falava como "Voce se Alembra", "os home das ferramenta" e tinha um tom de voz muito bonito.
Não é só de rock and roll que se vive.
Jovino