segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

EL CHUECO

Quando o assunto é esporte, o fanatismo é a marca registrada do argentino. Sem dúvida nenhuma, o futebol é o que desperta as maiores paixões, desde a rixa tradicional com o Brasil ou até mesmo entre as duas maiores equipes de futebol do país, Boca Jr. e River. (Para se ter uma idéia do que essa rivalidade representa, no estádio da Bombonera, até a cor da propaganda da Coca-Cola teve que ser mudada para preto, tendo em vista que, sendo o “bermejo” a principal cor do “inimigo” River, ela está proibida no estádio dos xeneizes)
Ao falar de seus ídolos, os argentinos são radicais. Desde a eterna disputa Maradona X Pelé, passando pelo tênis, até chegar à área de nosso maior interesse, o automobilismo. Aqui, não existem nem Senna nem Schumacher. Para eles, o maior de todos é Fangio. Em 1947, El Chueco, apelido dado por conta de suas pernas arqueadas, contou com a ajuda do governo argentino que lhe forneceu os recursos para adquirir sua primeira Ferrari. Ele disputou seu primeiro campeonato mundial de F1 com esse carro, pintado com as cores da bandeira argentina. Esse carro foi recuperado e hoje está em exposição no Automóvel Clube da Argentina, que mantém um pequeno museu em homenagem aos seus principais pilotos.
Com uma fantástica carreira de cinco títulos mundiais, Fangio só veio a ser superado recentemente por Schumacher. Após se retirar das corridas, foi eleito Presidente de honra da Mercedes Benz na Argentina, uma forma que a fábrica encontrou para homenageá-lo pelos seus serviços.

7 comentários:

vitão disse...

Ele era presidente de honra da Mercedes da Argentina. Sobre Fanatismo argentino, não me esqueço de uma vez em que o Reutman correu no Rally Sul-Americano, e a torcida ficava gritando de pé, a quase zero grau, "lole, Lole" , por quase 2 horas. Isso me lembra a história da conversa de um general francês e um russo. O francês disse que lutava pelo dinheiro, e o russo afirmou que lutava pelas glórias, ao que o francês respondeu que cada um luta por aquilo que não tem....Deve ser por isso que argentino é tão fanático.

Buonanno disse...

E a concessionária que leva seu nome é linda e está localizada em Puerto Madero, um dos bairros mais chiques de Buenos Aires.

Primo disse...

Um argentino me disse uma vez que Pelé era Rei, mas o Maradona era Deus!
Foi quando eu disse que deve ser por isso que tanta gente não acredita mais em Deus...

Cuore Sportivo disse...

Buonanno, o Puerto Madero era uma área decadente de BAS. Foi revigorado recentemente e muitas empresas de tecnologia foram para lá.

Speed disse...

Estive recentemente em Buenos Aires e confirmo o texto do Buonanno, aliás muito bem escrito. Vi a "Rossa" azul, que está muito bem conservada, vale a pena ver. É preciso reconhecer que, no seu tempo, Fangio era o máximo.

dennis aluizio disse...

Só uma coisa: o termo "portenho" não se refere aos argentinos em geral, mas apenas aos de Buenos Aires. Se referir a todos como portenhos é como chamar todos os brasileiros de "cariocas".

Buonanno disse...

Vitão, coloquei no texto sua informação sobre o Fangio. Valeu!

Speed, obrigado pelo elogio.

Dennis, você tem razão. Já acertei o texto. Obrigado.