quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

ELECTRAS DA VARIG, POR ONDE ANDAM?


Com a viagem a Passo Fundo, lembramos os saudosos Electras da Varig. Temos discutido sobre o que era seguro voar nos Electras no céu e brigadeiro da terrinha.
E aí pinga na Cx.P. dos Comparsas, repassado pelo brother Ricardo Divila, um belíssimo texto do site JetSite sobre as aeronaves.
Senão vejamos, e o atento Mestre Joca, irá lembrar os nossos papos sobres eles...


"Desde janeiro de 1992, devo ter ouvido esta pergunta um zilhão de vezes. Mas nunca me canso de responder sobre minha aeronave predileta: a memória logo traz a saudade dos elegantes quadrimotores da Lockheed, que com seus quatro Allison produziam uma música única, que jamais esquecerei. Suas linhas elegantes, suas enormes janelas e poltronas, seu espaço interno e até seus cheiros estão para sempre marcados em mim. Pode parecer estranho para aqueles que não viveram a época do Electra, mas quem viveu sabe do que estou falando.
Para quem teve essa sorte, o privilégio de poder voar nos 15 quadrimotores operados pela Varig entre 1962 e 1992, lembrar do Electra nunca é demais. Para os novatos, pode parecer incompreensível ainda haver interesse por um avião que deixou de voar no Brasil há 12 anos. Pode parecer incrível ainda falarem num avião "a hélice," como se costuma dizer na época, implicitando o interlocutor que o Electra talvez fosse ultrapassado. Claro, moderno não era. Mas se o preço da modernidade é andar espremido num antisséptico Boeing ou Airbus, bem, então devo ser a pessoa mais retrógrada do mundo.
Mas veja que não estou só. Ainda hoje o Electra é citado em rodinhas de aficcionados, sempre acompanhado por um suspiro de saudade. Por falar em saudade, ela cresceu a tal ponto que em 1997 fui para o Alaska especialmente para voar nos últimos dos 169 Electras construídos que ainda transportavam passageiros em serviços regulares em todo o mundo. Três máquinas da Reeve Aleutian ainda voavam por lá. E esta é outra história que você pode ver aqui no Jetsite.
Mas o fato é que em 6 de janeiro de 1992, uma segunda feira de muito sol, os últimos vôos (especiais, para convidados) com os majestosos quadrimotores foram realizados, celebrando quase 30 anos de serviços ininterruptos, exemplares. Nesta data, com grandes comemorações, a Varig aposentou os seus últimos Electras, substituídos pelos Boeing 737-300, desde então o principal equipamento da companhia na prestigiosa Ponte Aérea Rio-São Paulo.

Electra: o avião mais seguro de nossa aviação...

A frota de 15 Electras que serviram na Varig bateu muitos recordes em nossa aviação. Se não foi o tipo mais longevo, foi certamente o mais seguro. Em toda a sua vida operacional em nosso país, apenas um, o PP-VJP, acidentou-se: foi em 5 de fevereiro de 1970 durante um vôo de treinamento em Porto Alegre. Fora isso, apenas panes ou incidentes como pousos de emergência sem a bequilha, fato que ocorreu com o PP-VLA e com o PP-VJM. E nada mais.

Assim, nos seus 30 anos em serviço, a frota de 15 aeronaves da Varig voou nada menos que 777.140 horas, ou o equivalente a 88.7 anos sem sofrer nenhum acidente fatal! Neste período, foram nada menos que 736.806 pousos, numa média de 55.510 horas de vôo por aeronave e 52.629 ciclos por avião. Isto dá em média 4.93 pousos por dia, durante todos os 10.675 dias deste longo período.
Os números impressionam mesmo: foram 217 milhões de quilômetros voados, ou 17.500 vezes a volta completa ao redor do mundo. Mas... o que aconteceu com cada um deles? Muita gente acredita que foram vendidos para os Estados Unidos, outros pensam que não há mais nenhum Electra em operação.
Para desfazer tantas especulações, o Jetsite agora se encarrega de contar o paradeiro de cada um dos 14 Electras que serviram a Varig até 1992. Com o rigor de praxe, com a paixão de costume, listados por ordem cronológica, ou seja, a partir de seus primeiros vôos.
Os modelos:
PP-VJL - S/N 1024 - O PP-VJL foi o segundo Electra recebido pela Varig, parte de um lote de cinco originalmente encomendados pela Real Aerovias - compra que Ruben Martin Berta tentou desfazer a todo custo...
PP-VJM - S/N 1025 - O PP-VJM era o segundo mais "experiente" de todos os Electras a voar pela Varig, mas o foi o primeiro a chegar ao Brasil...
PP-VJN -S/N 1037 - Primeiro vôo em 27 de janeiro de 1959, entregue à American Airlines como N6108A "Flagship Buffalo"...
PP-VNK -S/N 1040 - Primeiro Electra encomendado pela Braniff, com o prefixo N9701C, este foi um dos menos voados pela Varig, um dos poucos sobreviventes até 2003...
PP-VJO -S/N 1041 - O PP-VJO teve uma carreira bem menos atribulada que o PP-VNK, que o precedeu na linha de montagem da Lockheed em Burbank, California...
PP-VJP - S/N 1049 - Este foi o único Electra que se acidentou durante sua carreira na Varig...
PP-VNJ -S/N 1050 - Outro Electra que começou sua longa carreira na American Airlines: primeiro vôo em 8 de abril de 1959, entrega no dia 16 do mesmo mês como N6111A "Flagship Tulsa"...
PP-VLX - S/N 1063 - O VLX começou sua carreira na American Airlines como N6116A "Flagship Cincinnati"...
PP-VLY - S/N 1073 - Praticamente a mesma carreira que seu co-irmão PP-VLX...
PP-VJU -S/N 1119 - O Electra com mais ciclos ao deixar o serviço ativo na Varig foi o PP-VJU...
PP-VJW -S/N 1124 - Por ordem de horas de vôo e ciclos, o VJW foi o terceiro Electra mais voado ao deixar o serviço ativo na Varig. Igualmente começou sua carreira na American Airlines (N6133A "Flagship Baltimore")...
PP-VJV -S/N 1126 - O Electra com mais horas de vôo ao deixar a frota da Varig foi o PP-VJV...
PP-VLB -S/N 1137 - O PP-VLA e o VLB foram adquiridos da Northwest Orient Airlines...
PP-VLA -S/N 1139 - O VLA foi adquirido da Northwest Orient Airlines. Seu primeiro vôo foi em 31 de janeiro de 1961, sendo entregue à companhia em 29 de março de 1961 com o prefixo N134US. Como o PP-VLB, também foi convertido para carga/passageiros (L-188PF) em 1969, e entregue à Varig no mesmo dia que o VLB, 3 de junho de 1970.
Também operou inicialmente como cargueiro e quando convertido de volta para transportar passageiros, igualmente não dispunha da saleta nos fundos da cabine. Em 4 de fevereiro de 1990 ficou "famoso" após um pouso sem a bequilha no Galeão - ninguém ferido - retornado a ativa meses depois. Deixou a ativa em 17 de novembro de 1991 (SDU-CGH) e foi levado à base de Porto Alegre com 58.143 horas e 41.211 ciclos.
Vendido também a Filair, foi registrado em novembro de 1993 9Q-CVK e no mês seguinte, 9Q-CGD. Foi um dos últimos Electras que deixou a base POA, em dezembro de 1993, totalmente revisado, impecável, no melhor padrão da Varig. Infelizmente, teve vida curta na África: nos últimos dias de julho de 1994, acidentou-se em Angola, mas não há registros precisos sobre este acidente.
Agora você não precisa me perguntar mais "onde andam os Electras da Varig". Mas se perguntar se eu já ví aeronaves mais maravilhosas que os Lockheed Electra, a resposta é uma só: "Não.""
(reprodução/www.jetsite.com.br)

12 comentários:

Eric disse...

Grande texto hein Brimo sahib....que legal essa história.

Eu Belair e Paulão comentamos também indo a Passo Fundo dos Fokkers,Electrs e afins....

Eu nunca tinha voado de Fokker 100 mas já tinha voado de Electra.....vvvvvuuuuuoooooommmmmmm......

Anônimo disse...

Olá Comparsa.
Ótimo o seu blog, com grandes noticias sobre automobilismo e algumas variedades bem interessantes.
Permita apenas uma pequena correção no texto sobre os Electras. O avião que aparece na foto é (provavelmente) o Convair 240.
Um bom avião bi-motor mas que acabou não tendo o mesmo sucesso dos Electras II (quadrimotor).
Parabens e continue com o excelente trabalho no blog.

Att., Max

Buonanno disse...

Max, valeu pelo elogio e pela correção. Vamos acertar.

Volte sempre porque tem novidade todo dia. Se for ferrarista então, será mais do que bem vindo...

Virgo disse...

Tô com o Max,parece mesmo um Convair CV240.
Há um Electra II no fundo da foto à esquerda. E mais dois Boeing 727

SAHIB disse...

Peço desculpas a vc e ao povo pelo deslize...eu e a minha pressa com meus blogs. Vou dar uma organizada na bagaça...obrigado pela correção e apareça aqui como no Saloma do Blog.
abs
Sahib=Saloma

Pé de Chumbo disse...

Tô ficando doido ou o Sahib já trocou as fotos?
Porque o que estou vendo ali é um Electra iniciando táxi para a cabeceira 34 de Congonhas, ou taxiando após o pouso nessa mesma cabeceira...

Felipão disse...

No youtube tem um vídeo, se não me engano, com a despedida do Electra... Sem dúvida, um dos mais belos aviões já construídos...

SAHIB disse...

Trocadas Pe de chumbo...aqui somos rápidos!

Zé Maria disse...

Também sou apaixonado pelo Lockheed L188 Electra II e gostaria apenas de complementar o post e o texto do Gianfranco Beting do Jetsite, outro fanático pela máquina:houve também um incidente com o PP-VJY em 1980, pouso de barriga no Galeão, um dos passageiros era Telê Santana. O avião foi recuperado e voltou à ativa.
Abraços.
Zé Maria

Vanderlei (Manaus) disse...

Saudades desse tempo. Meu primeiro vôo foi com na ponte aérea em 1976
com um eletra. Tive o prazer de fazer muitos vôos com essa aeronave. Serviço impecável de bordo. Confortáveis e espaçosas poltronas.
Tempo fantástico que ficou na lembrança dos que tiveram o enorme prazer de voar com essa aeronave que marcou mesmo.

Anônimo disse...

Olá amigo.
Você tem idéia da média de valor que foram vendidos?
Ficou no Brasil algum exemplar para museu?
Obrigado.

Anônimo disse...

Caros amigos que curtem o Electra da Varig, o avião da Ponte Aérea Rio-São Paulo. Aqui no Rio de Janeiro, tem um exemplar desta aeronove no Museu Aeroespacial. E só fazer uma vista e ver, OK!
Um abraço de Sentifon.