terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

EM PROL DA MULHER DE VERDADE

EM NOME DA FESTA DA CARNE

Minha amiga D., fornecedora de grandes motes para este cronista muitas vezes perdido e sem assunto, debate comigo: “Cadê a carne do carnaval dos últimos desfiles, a carne que deu origem ao batismo da festa religiosa, agora só vejo músculos, como se todas as mulheres da avenida tivessem virado travestis”, ela protesta.
“Lembra as carnes balançando diante das câmeras, o grande e lindo açougue humano?”, a mesma moça decente cutuca os sovacos da polêmica. Eu dou corda, a discussão é mais que procedente, não acham?
E não vale apenas para as passarelas e avenidas. Vale para tudo nesse mundo. Repare bem, não estamos tratando de gordas e magras, de uns quilinhos a menos e de uns quilinhos a mais. O nó é mais embaixo.
O que pega, amigo, é a falta de maciez mesmo, o confortável amaciante das carnes das moças, air-bags que nos protegiam contra a dureza e grosseria do mundo, aquela coisa reconfortante, colo para além do simplesmente materno, aconchego, “venha para cá meu nego”, o homem é a terra, é a luta, a batalha, mas também o repouso do guerreiro.
Esses corpos da avenida não são mais os corpos originais de mulheres para os quais fomos sentimentalmente educados.
Claro, acostumamos, mulheres são mulheres e padrões publicitários são padrões publicitários.
Mas, amigo, é muito músculo à força, exército de Esparta, elas estão mais fortes do que todos os zagueiros que enfrentamos nas nossas peladas amadoras.
Sim, entendo, não pode relaxar muito, questão até de saúde, tem que correr, Lola, fazer algum esporte, mas, peraí, sem exagero, moça.
Até pode ser uma boa onda transar com uma musculosa dessas, tipo capa de revista, afinal de contas estamos drogados por estas imagens que poluem o branco dos nossos olhos a cada segundo, mas, amigo, é desconfortável demais da conta dormir com uma criatura de tal natureza. Amanhecemos todo quebrado, todo dolorido, é como se dormíssemos com o Mike Tyson.
Com o microfone, nessa tribuna livre sobre o tema, ele, Roberto, o rei: “Gosto de me encostar/ Nesse seu decote quando te abraço/ De ter onde pegar/ Nessa maciez enquanto te amasso.’’
É aquela canção sobre as cheinhas, bela elegia. O rei é meio marqueteiro sentimental, mas o cara sabe das coisas, com a ajuda da pena e dos acordes do Erasmo, claro.
Ora, uma perna pode ser bonita sem ser obrigatoriamente tão musculosa, tão perna de traveco ou de homem. Assim valendo também, lição primária de anatomia, para braços, barrigas, rádios, perônios.
Mais carne e menos músculo, sr. açougueiro do balcão da humanidade, e um contrapeso de coração, se é que você me entende, se é que não é pedir muito em pleno carnaval de Pernambuco, o melhor carnaval de todas as galáxias de todos os tempos.
(reprodução da lavra de Xico Sá. É o cara, sabe das coisas, assim como o primo. Só não concordo muito com a elegia ao carnaval de Pernambuco. Para mim são todos iguais. Vendo um, viu todos, mas a reclamação é muito louvável e faço coro)

12 comentários:

regi nat rock disse...

Realmente é uma reclamação pertinente. O que tem de lindinha por aí, com vocação pra terminal de direção é uma grandeza.
Maciez faz um bem danado.
Sem exageros senão sufoca.

PacMan disse...

Pode me incluir nesse coro,Regi.E não é só isso não.
Assistí ao final da entrega dos Oscar e ví,ESTUPEFATO, o que uma das minhas deusas preferidas fez a ela mesma;onde está o velho e tão desejado( e ultimamente esquecido) "envelhecimento com dignidade"???
Alguém aí viu? Shirley McLane e Sophia Loren no mesmo palco;uma desfilando a dignidade da passagem do tempo e a história de uma vida contada em rugas e marcas. A outra desfilando uma deformidade assustadora,no afã de conservar algo que já se foi há um bom tempo,terminando por mostrar um esforço vão e patético.
Confesso que fiquei meio sem palavras para descrever, para minha esposa, o que estava sentindo ao ver a GRANDE LOREN.
Que mundo é esse afinal?

M disse...

Regi,
Concordo com vc !
Mas a culpa é deste monte de porcarias que andaram inventando !
Panelas anti-aderentes, enceradeiras, batedeiras, máquinas de lavar roupa, etc...
Agora a muierada não faz mais do que apertar botões !
E sem ter o que fazer em casa, corre para as academias.
A beleza das formas femininas era alcançada e mantida com as tarefas do lar, areando uma panela de ferro, esfregando o chão, lavando a roupa no tanque ou batendo um bôlo no braço.

Ah ! E antes que alguma dondoca se manifeste, porco chauvinista é a mãe...

Pé de Chumbo disse...

Tô dentro!

Essas marombadas perderam toda feminilidade, sou muito mais uma com coxas roliças e macias, não aquelas pernas de zagueiro, cheias de músculos. Bracinhos finos e delicados, ao invés daqueles biceps e triceps indecentes, parece que a gente tá abraçando um parceiro de futebol...
Vixe Maria!
Sai pra lá, mangalô treis veiz!!!

regi nat rock disse...

Realmente, Pac, a mulher parece estar conservada no formal, ficou completamente plastificada.
Em compensação a Shirley se assume numa boa.
Nada contra a mulherada dar uma repaginada 'GENTIL', o que, certamente a Shirley deve ter feito.
Mas, é aquela história, algumas, tem o bom senso de uma repaginada suave que ajuda muito na auto estima enquanto outras, querem a todo custo, buscar uma juventude que já foi.
Não há funileiro, ops, plástico, ops, Mandrake que dê jeito.

Primo disse...

Bem, sou suspeito, acho q minha preferencia ja foi bastante difundida...picanha, maminhas, costelas e otras cositonas mas...rsss...enfim, carne !!!

jonny disse...

Na boa, sou mais ver uma Luiza Brunet, uma Sabrina Sato, uma Viviane Araujo sambando seus dotes musculosos na avenida que uma Dercy Gonçalves mostrando os peitos no abre alas...
Vcs beberam demais no carnaval, foi?

eu hein?!?!?!...

M disse...

Ôôô, Jonny !
Por favor, fique calmo !
Eu sei que vai ser um choque para vc, mas a Dercy já morreu !
Ah ! E o Elvis também...

F250GTO disse...

Ótimo texto, e faço coro aos que compartilham da mesma opinião.
Chega de lindinhas "tunadas"!
As reformas nas coroas citadas pelo Regi, apesar de dependerem muito do bom senso e da dificil escolha da hora certa de parar de esticar, ainda passa.
Afinal, a lei da gravidade é implacável...
Mas o pior mesmo é ver as carrocerias Okm todas mexidas e alteradas em suas formas, nas lindinhas de pouco mais de 20/25 anos...
Não sobrou quase mais nada de original, tudo cheio de massa, fiber glass, blower, poliester, PU, Gel Colt, neon, xenon...
Originalidade já!!!!!!!

Primo disse...

Jonny, o que andou fumando na estradinha?
Quem falou em Dercy Gonçalves, leu o texto?
Gosta de músculos?
Eu nao...

jonny disse...

huahuahuahua...
Chama a Gracie, personal dog do Primo.

Anônimo disse...

Tem duas coisas no mundo que "é tudo".
Vento na cara e peito balançando.
Concordo com o texto. Esse negócio de músculo é para V8, até motores tem que ser "alegres" e não musculosos.
Quem diz isso é o Bird, que sabe voar faz tempo...
"Leio mas não escrevo"
Claudio Ceregatti