terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

EMOÇÕES...

O vídeo que você vai assistir a seguir não deixa ninguém indiferente. Uns vão se emocionar e adorar, já outros... E você qual a sua opinião sobre ele? Estava lá? Conte aqui.




(dica do Eric que é Senna desde criancinha...)

34 comentários:

Gilles 313 disse...

Eu estava lá sim, de arquibancada velha, no ultimo degrau lá em cima, e por muito pouco não despenquei abaixo quando o Ayrton deu um passadão no Damon Hill na entrada do Laranjinha...mestre no seco, imbatível na chuva...

Primo disse...

Esse rapaz foi um excelente piloto, um campeão.
E só.

Gilles 313 disse...

Nesse ano, que considero o ultimo de Ayrton, ainda ganhou Donnington, naquela que foi a primeira volta mais perfeita da história, Monaco, Japão e Austrália, tudo isso contra uma Willians sobrenatural e uma Benetton com pelo menos 50hp a mais de motor, numa McLaren que nas mãos de outro piloto lutaria no máximo pelos ultimos pontos (na época só 6 pontuavam).

As corridas ganhas por Ayrton sempre foram especiais, nem sempre foram por aquela superioridade que teve por exemplo com o carro do primeiro título.

Nesse ano de 93, para quem ainda o questionava, ficou selado tratar-se do maior piloto brasileiro da F1, estava no auge e por isso, por smpre buscar o melhor para ganhar acabou cometendo o erro fatal de pular para a Willians quando esta já não mais exerceria o domínio que teve no anos de 92 e 93.

É um tanto emocional, mas não consigo olhar para uma foto do Ayrton dentro da Willians,parece ser outro piloto, parece ser outra pessoa, parece que não aconteceu , parece um pesadelo do qual a qualquer momento vamos acordar.

Quem dera....

Buonanno disse...

Eu estava tbém. Na arquibancada interna de frente para o Laranjinha. Essa ultrapassagem no Damon Hill deu para ver de frente.

Gênio!

Primo disse...

Damon Hill, todo mundo passava esse mané.
Nao to dizendo que o Senna ruim, por favor...rssss...mas que esse Hill era fraquim, era !

Roberto Zullino disse...

O Senna era bom, mas era muito cheio de "bom mocismo" e marketeiro, nessa que veio a cascata da sexta marcha.

Jackie disse...

Inexplicável !!
Esse vídeo, corridas, entrevistas...
Todas as vezes que assisto, me emociono.

Eric disse...

Eu estava no G...e invadi a pista sim,no meio daquele bolo de gente....depois fui correndo por tras do guard-rail até o setor A,para ver ele ainda estourar a champagne...

Cheguei em casa as 21 hs...não queria ir embora de lá....

Senna forever!!!!

jonny disse...

Assistir a isso 3 dias depois da ascensão do Sr. João Gurgel é de f....
Assim não consigo trabalhar, se é q vcs estão me entendendo.

Tirando a zona da torcida, nem me lembrava que o Tempra já foi um dia um safety car!!

Saudades do bom mocinho da F1!

Eric disse...

Bah....esses Piquetistas são phoda....o Senna era bom moço mesmo,se comparado com o véio aposentado,esse sim um ignorante de mão cheia.

Roberto Zullino disse...

Eric,
Não sou piquetista e nem "ista", piloto não ganha corrida, quem ganha é o carro, piloto só consegue perder, hahahahahaha.

Para mim, o melhor piloto é aquêle que tem a melhor "poltrona".

Primo disse...

Eric, menino...tome tenencia.
Pergunta pro Louzao o comportamento do boiola, digo, do Senna quando tava fora dos holofotes brazucas. Botava até cirança pra fora dos boxes e o kct.
Gostava é de fazer tipo.

Pé de Chumbo disse...

Nunca perdi uma corrida de F-1, pela TV, lógico, e assistí sim a essa corrida.
Eu e minha mulher chorávamos vendo essas cenas...

F250GTO disse...

O problema é que por causa de alguns maus brasileiros, a maioria puxa sacos do Piquet, de repente ficou proibido gostar do PILOTO Ayrton Senna.
Tudo passou para o lado pessoal, envolvendo a intimidade dele (nenhum outro piloto brasileiro ou não, teve a vida particular tão invadida quanto a do Ayrton).
Tudo a partir de uma brincadeira do Piquet ( a questão de um possível homossexualismo)que foi levada mais a sério do que deveria, pelos fãs do Nelson.
E hoje, quem tem coragem de se manifestar falando bem do PILOTO Ayrton Senna, tem que ficar discutindo sobre outras coisas e bobagens, que não as vitórias espetaculares, as voltas, as poles, as ultrapassagens, o desempenho no seco ou na chuva, enfim uma carreira brilhante, com feitos que certamente poucos pilotos vão conseguir repetir.
Hoje em dia tem gente que se esconde e nem admite que é fã do Senna, com medo de ser ridicularizado por parte desses maus brasileiros que ao invés de fazer comparações e destruir, deveriam se vangloriar do Brasil ter tido tres pilotos igualmente CAMPEÕES DO MUNDO.
Em qualquier outro lugar do mundo que não o Brasil, isso seria motivo de orgulho e muita admiração.
E não esse comportamento de rivalidade inutil.
A preocupação desses "inteligentes" torcedores deveria ser bem outra.
Quando será que teremos outro EMERSON, NELSON OU SENNA?
Essa é apenas a minha opinião de 10centavos...

PacMan disse...

Acho que NINGUÉM coloca em dúvida a grandeza do PILOTO Ayrton Senna.A pilotagem fantástica,aliada à competitividade(que conhecí muito bem) da pessoa Ayrton, o transformou num dos maiores,sem dúvida.
Acontece que o GB,a Globo e o próprio Ayrton,pelas mais diversas razões ( creio que todas "comerciais"), transformaram todas as conquistas, e, por incrível que pareça, as NÃO conquistas também, num espetáculo de PIEGUICE extrema,bem visível nesse péssimamente(!) legendado vídeo.
TUDO que se referia ao Senna foi, e ainda é, mitificado,divinizado(?),heroizado,etc.etc.Daí as ridículas discussões que acabam acontecendo,e das quais meu amigo GTO reclama.
Pilotos? Cada um à sua maneira,admiro nossos 3 campeões mundiais,e tantos outros que nem campeões foram.
Pessoas? Sou mais a autenticidade do Emerson,e principalmente a do Piquet,mesmo sendo pessoas tão públicas quanto...
Mas,afinal, o que realmente importa minha opinião?ABSOLUTAMENTE NADA, mas é MINHA!

Roberto Zullino disse...

Não sou e nunca fui fã de piloto algum, exceptuando-se o Jim Clark pela competência dele e pela pouca idade minha na época. Durou pouco, ele acabou morrendo e eu amadureci.

No entanto, se tivermos que adimirar algum piloto brasileiro o que mais merece ainda é o Emerson, para ficarmos nos tri-campeões.

O Piquet e o Senna foram fruto de um processo, estavam na onda e souberam surfar bem, nada demais.

O Emerson não, era um zé ninguém, lembro dele na primeira sessão do GrandPrix pilotando cadeira no Majestic, igual a todos nós.

O cara só tinha pilotado carroças com suspensão de VW na frente e foi para a Europa na cara e coragem.

Bateu em todo mundo, foi bi-campeão e seria mais se não tivesse escolhido tentar ganhar com carro próprio.

Depois foi para Indianápolis, sonho de todo mundo aqui, assim como a f1, ganhou as 500 milhas e o campeonato. E já estava com uma certa idade e foi fazer alguma coisa diferente do que tinha feito.

Portanto, esse é o cara. Nunca esteve no processo, ele foi o processo.

PacMan disse...

Zullino,
Eu assistí o Grand Prix lá no Comodoro da S. João,em Cinerama!Só não sei quantas vezes cabulei aula pra fazer isso,perdí as contas...
Nem sabia que tinha passado no Majestic.
E quer saber? Definiu muito bem: o cara foi O processo!

F250GTO disse...

Pois é Zullino, concordo com voce em tudo o que disse sobre o grande Emerson, nosso idolo dos tempos de juventude.
Mas aqueles "famosos brasileirinhos" que falei lá em cima, tambem "estupraram moralmente" os Fittipaldis, o Divilla & Cia. bela, na época do Copersucar.
Deram a singela colaboração para que a coisa afundasse.
Hoje alguns desses babam e batem palmas quando aparece um dos carros restaurados.
Eu perdi muita aposta na época, cuja moeda eram chopps no Joan Sehn, onde um grupo se reunia em uma "mesa cativa".

Eric disse...

Acho do carai...julgar o Senna porque ele tinha dinheiro.

E daí que ele não dormiu na Kombi?E daí que ele não sabia de mecanica como o aposentado?
Discordo....Já ouvi relatos do chefe de motores da Honda dizendo o contrário.
E se tinha dinheiro,fez o que TODOS deveriam ter feito q1ue tem $$$,ganhar 15 das 19 provas de F-Ford na Inglaterra é ruim?
Enfiar 1 segundo em pole no anão francês que é tetra campeão???
O venerado Schummy,não fez pole em cima dele,por que???
Eu tenho um autógrafo dele,peguei no parque do Ibirapuera enquanto ele corria.Foi super atencioso ao ponto de perguntar Eric Com C???
Dentro dos boxes ou nas pistas ele era mesmo um tanto fechado,extremamente concentrado e focado no que estava fazendo.E por isso era fudido.
Fora das pistas não era assim não.
A Globo faz o mesmo com o Massa ué,faz parte da audiencia.
Nem se o Piquet quisesse,essa turma invadiria a pista assim.Esse mesmo que falou que o Senna era viado,mas tinha comido sua ATUAL LOURA antes dele...
E não ia para fora do Tempra safety car dando sinais para seus seguidores.No máximo,tiraria o capacete,dentro do carro lógico.
O GTO falou bonito.
Vão mexendo a memória e lembrando....Estoril no dilúvio,1985,em Jerez VS mansell em 86,Japão 1988,Donnington 1993,Japão 1989 que foi sumariamente escrachado pelo balestre....se quiserem vou pondo....
O cara tinha 162 GP's e o aposentado 204.
Senna com mais de 40 vitórias e o véio com 23.
Quer mais????É claro que tem que achar que o cara é viado,coisa do tipo,porque se colocar em numeros,coitados dos outros que vieram antes dele....os brasileiros claro.Aí se apoiam em calunias de um mau carater.

Roberto Zullino disse...

GTO,
Não vejo problema nenhum em se desancar o Emerson, Wilsinho e o Divila na época da copersucar, posso desancar agora sem o menor problema.
Somos julgados pelos resultados e os resultados deles não foram bons.
Qualquer CEO de uma empresa também é julgado assim, se a última linha do balanço deu azul o cara é gênio, se deu vermelho é um burro e tem que ser mandado embora. Evidentemente, o exagêro da coisa faz parte da nossa cultura.
Não acho que o Emerson dê muita bola e nem o Divila, o Wilson é mais apaixonado e era o mais envolvido com a coisa e até hoje se emociona e reage. No fundo é paixão, friamente eles sabem que erraram muito e continuaram errando. O pior que não foi na parte técnica.
O fato de pensar assim não tira um mínimo de minha admiração por êles, admiração e não idolatria. Seria o primeiro a demití-los na época da copersucar, mas nem por isso os diminuiria, eram competentes, avaliaram mal a bucha em que se meteram e os apoios que tinham, como qualquer general ou líder empresarial que se ferre.
Apenas não deu certo e pagaram caro por isso.
É do game.

Roberto Zullino disse...

Olhando os meus posts e as minhas eventuais críticas ao Emerson, Wilson e Divila e comparando com os posts que falam do Senna não dá para deixar de reparar a grandeza dos Fittipaldi e Divila, são outra liga. Erraram e erraram muito, mas que vida!!!
Sem querer diminuir o Senna, longe disso, mas os dramas e romances nesse caso foram fabricados, ele foi só um motorista bem remunerado. É como comparar uma novela com Eça.
No caso da trinca não, eles foram procurar, viveram dramas reais pelo pioneirismo e inquietitude, a função de piloto foi complementada na plenitude. Os caras simplesmente partiram para a briga armados de canivete e quase ganham, pelo menos dos Jegues ganharam.

F250GTO disse...

Zullino, eu concordo com o que voce disse com relação a falta de resultados, mas acontece que as criticas (veementes) começaram já quando o Emerson largou o posto de bi campeão do Mundo e a Mc Laren para pilotar o Copersucar e engrossar a equipe brasileira, que já vinha "patinando" nas mãos do Wilson.

Rodrigo Duarte P.L.R. de Barros disse...

Eu simplesmente não consigo ter a paixão apresentada por alguns dos frequentadores deste blog. Não pela F1 e muito menos por futebol.

Sou viciado em qualquer tipo de corrida:F1, Indy, F3, GP2, DTM, Stock, etc. Assisto todas se for possível. Contudo simplesmente as encaro como corridas de carro. Acabadas o número total de voltas, acabou-se o encanto. Tanto que admirei o comportamento do Lewis Hamilton no final do campeonato de 2007, quando acabou sendo vice-campeão. O cara ficou tranquilo, não se abalou e foi comemorar com a equipe numa boate de SP, cantando e dançando.

Adoro ler as biografias dos pilotos, ver como superaram dificuldades, como lidaram com a pressão e a competição, como se sobressaíam através de trabalho duro e conhecimento técnico. Leio, aprendo e fico admirado. Mas não consigo ter a paixão que vocês tem! Apenas uma coisa me faz defender fervorosamente em uma discussão: minha família! E não toda ela...

Para ser bem sincero, gostaria de uma vez na vida, sentir o sangue quente como vocês e "bater boca" por algo assim. Sentir essa latinidade do povo brasileiro, tão propagada por aí...

-x-x-x-

Adoro o blog. Conecto-me todos os dias.

Um grande abraço...

Roberto Zullino disse...

GTO,
Não vejo nenhum problema nas críticas que receberam, pois foram merecidas desde o início. Aliás, eles não souberam ler e aprender com as críticas e deu no que deu, crônica de uma morte anunciada.
Ganho a vida fazendo diagnósticos empresariais e planejamento estratégico. O que aconteceu era previsto facilmente:
primeiro, inventaram de fazer o carro com o piloto e o chefe de equipe sendo a mesma pessoa, simplesmente não deu, o Wilsinho não tinha a fábrica da Brabham na Inglaterra, que já tinha vários anos, e nem o Ron Tauranac que a tocava. E o Brabham se aproveitou de um momento de transição em que os adversários estavam batendo cabeças.
Segundo, ficaram muito ligados a um governo impopular, embora não tivessem a menor idéia. Na realidade, foram usados como um alvo fácil das críticas ao governo militar e não perceberam. Nem seus críticos percebiam isso, eles eram uma parte do establishment que podia ser criticada sem dó. Portanto, não encaro essas veementes críticas sem dar o devido desconto.
Terceiro, corolário do segundo, deviam ter aproveitado a mudança do Emerson e arrumado um patrocinador estrangeiro abandonando a Copersucar, era a única maneira e eles tinham massa crítica para isso nessa época. Ao continuarem ligados ao Atala acabaram se ligando cada vez mais ao governo e às mazelas da copersucar na época.

Primo disse...

Rodrigo, muito boa sua colocação.
Amo corridas pra kct, assisto qq merda q passa no Speed na falta de F1, mas minha paixao pelos ´´idolos´´ é menor que a da maioria, embora goste muito.
GTO, a reciproca é verdadeira na relação sennistas com Piquesistas. Tem ´´maus brasucas´´ dos dois lados, e a coisa foi levada a extremo pela excessiva parcialidade do Galvao, que se ele era muuuuuito apaixonado pelo Senna, ela era o narrador tb, mas parece que ele esquece sempre, deve estar senil. Como o Piquet falava mal dele, ele aproveitava a fase vitoriosa e brilhante do Senna pra fazer graça.
Enfim, o q importa é que o Rato colocou o Brasil no mapa da F1, foi o Colombo, como nao cansava de repetir o Piquet. Dá-lhe Emo !!!

Buonanno disse...

Rodrigo Duarte que bom que você esteja gostando do Blog. Volte sempre.

Você é de onde?

jovino disse...

ardSomos privilegiados por termos 3 pilotos campeões do mundo e durante 20 anos conseguimos estes campeonatos. Isto já é bom demais, pois se vermos hoje em dia, se o Massa não conseguir nada este ano, pode esquecer, a fase brasileira na formula 1 acaba aí e pronto.
O Senna era marqueteiro, esperto, mas é considerado pela midia internacional como o maior piloto de todos os tempos e pronto, apesar do Schumacher ter conseguido os 7 títulos.
Acho complicado dizer que Ckark, Fângio, Nuvolari ... foram os maiores pilotos, pois não os vi correr, apenas através de filmes e documentários, mas desde que acompanho formula 1 pela TV e isto desde 1970, dos que eu vi correr, Senna foi o que mais se destacou, apesar de ser fã do Nelson e sem esta de ficar comprando briga por este ou aquele piloto, é apenas uma constatação para mim. Agora, este negócio de bandeirinha brasileira, musiquinha da vitória, sempre abominei isto e é aí que admiro muito o Nelson, pois ele mandava todos sifu e não tava nem aí, não se prestava a este tipo de bajulação.
Jovino

Pé de Chumbo disse...

Porra, sabe o que me deixa puto?
Falarem mal do Copersucar.
O Emerson conseguiu juntar o que tinha de melhor na F-1 na época, fez um carro espetacular.
Mas o povo daqui não aceita um segundo lugar, tem que ser o primeiro desde a estréia.
O carro não teve tempo sequer de ser desenvolvido, derrubaram antes.
E aí, o patrocinio, o dindim, foi pro saco. Como é que dá pra segurar essa barra sozinho? Uma vez, assisti uma entrevista em que o repórter perguntou ao Emerson sobre o Copersucar, ele começou a chorar...
Eu, gente, chorei junto.

Gilles 313 disse...

Caso não fosse para a Copersucar Emerson ganharia pelo menos mais um título, caso o Nelson se preocupasse mais em buscar um lugar em equipe de ponta ao invés de dinheiro ganharia pelo menos mais um título, caso não tivesse partido Ayrton ganharia no mínimo mais tres títulos, caso Schumacher não parasse quando parou ganharia pelo menos mais um título

Roberto Zullino disse...

Não vejo mal algum falar mal do Copersucar, não do carro ou da equipe, mas sim do modelo de negócios, aprende-se com isso e em análises a emoção não entra.

A equipe tecnicamente foi muito bem feita e os carros com algumas exceções eram bons, tanto que ganhou dos Jegues várias vezes no campeonato, não em uma corrida apenas, mas na colocação final do campeonato de construtores tão decantado pela equipe mafiosa.

Analisando-se friamente os resultados chega-se a conclusão de que foram muito bons, inclusive comparativamente à outros e dentro das regras da época. Por que isso não foi reconhecido? Essa é a questão. Não se pode achar que houve uma conspiração contra porque não houve.

As críticas não eram na realidade à equipe em si, eram ao regime e atendiam à frustração terceiro mundista de sempre querer ser primeiro em tudo e por aí vai.

Seria um retardado alguém afirmar que o emerson tinha desaprendido a guiar, mas acabavam falando, conforme eu disse antes: eram as críticas possíveis ao establishment e esse contexto tem que ser levado em conta.

No entanto, os eventuais erros dos idealizadores se prendem à imagem que a organização passou e como ela reconheceu ou não seu ambiente de negócios de maneira correta. Isso é sempre de responsabilidade da própria e não de seu público, não há escapatória.

No caso, a equipe passou uma imagem ruim, ou melhor inadequada, de atrelada ao regime e mesmo de mamadora nas tetas do governo, entre outras coisas, na sua grnde maioria mentiras invejosas e fofocas. No final, os brothers ficaram de calças na mão.

A equipe não percebeu essa característica do brasileiro de querer o primeiro lugar, de que o sucesso no país é ofensa pessoal, não percebeu que os ventos políticos estavam começando a mudar, principamente em seu público mais jovem, e no final serviram de vidraça a uma coisa que não tinham o menor controle.

Fatos verdadeiros ou não, foi isso que o público entendeu, e entendeu naquela época e dentro daquele contexto.

Hoje, ao se ver os carros, a coisa é bem diferente, não há como criticar, foi uma epopéia, um épico e isso é que tem que ficar. Só ficará se entendermos o que aconteceu com as falhas e os acertos e sem emoções.

Em tempo, jamais critiquei a copersucar na época, muito ao contrário, pois eu gostaria de ter participado, mas como o GTO perdi muita aposta. O pior foi ser tachado de direitista e chapa branca ainda mais estudando na USP.

Aurélio Neto disse...

Saudades, muitas saudades...

Rodrigo Duarte P.L.R. de Barros disse...

Buonanno, sou de Curitiba. Quando vierem à capital paranaense, terei o maior prazer em encontrá-los.

Um grande abraço...

Caio, o de Santos disse...

Sensacional,
Tempras de Safety Car,
D20 na pista, acompanhando...

Não vi o final da corrida,
Não tinha visto esse final também.
De encher os olhas de água, mesmo sendo Piquetista!!!

Gilles 313 disse...

Caio, o de Santos: é uma grande bobabgem achar que por ser piquetista ou sennista não se possa reconhecer o valor de um ou de outro.

Ambos foram expoentes máximos do nosso automobilismo sendo perda de tempo ficar discutindo.

A realidade é que ´pelo andar das coisas vai demorar muito..mas muito mesmo para que tenhamos outra dupla desse nível na F1.