domingo, 15 de fevereiro de 2009

O PORSCHE DOS COMPARSAS...

O Porsche dos comparsas Gilles e Burger, depois de um treino de sexta, em que só faltou dar dor de barriga na barata, como aconteceu de tudo, foi um inferno, no sábado no treino, mais encrenca...agora foi com um pneu traseiro que danificado, parece que soltou a cinta de aço, deformou a ponto de deixar a traseira da barata dando estilingadas quando acelerava para tomar rumo nas saídas de curva. A prova está aqui, e que seja bem claro, para não falaram que o material era de origem tedesca.
E o vídeo de apresentação do carro e seus pilotos no boxes conferindo a tática para a prova antes do embrólio pneumístico!

E vale lembrar que aguardamos o precioso relato do comparsa Gilles sobre as provas, em duas baterias...

26 comentários:

regi nat rock disse...

caramba!.. pensamos juntos. Quase repeteco, só fiz menção ao pneu furado/rasgado/trucidado.

Pé de Chumbo disse...

Lindo carro!
Quando vierem aqui pra Curitiba, me convida pra dar uma volta nele?

Buonanno disse...

Uma pena que o pneu abriu o bico, mas o adesivo do nosso blog ficou demais.

jonny disse...

Lindão o filhote dos comparsas!!!
..pena que rolou esse imbrogilo todo, mas o ano ta apenas começando. Sorte nas proximas, fazer o que!

Cuore Sportivo disse...

Mas depois que colocaram pneus italianos legítimos, a barata andou bonito.

SAHIB disse...

E tenho a ressaltar o espírito esportivo dos comparsas Gilles e Burger...mesmo com toda essa confusão não perderam a simpatia e o humor!
abs aos dois e a boa sorte virá com os novos adesivos dos comparsas, aguardem!

jovino disse...

Que chique hein? Comparsas acelerando e de Porsche ainda! Parabens ao Gilles e Burger.
Jovino

Anônimo disse...

Lá na Motores Xingu temos algo como 200 e tantos pneus Pirelli, remanescentes da última corrida da Stock do ano retrasado, aquela mesma que os Pirelli equiparam a Stock car pela última vez, antes dos americanos assumirem.
Nenhum zerado, mas boa parte com menos de 1/3 ou 1/4 do desgaste, semi-novos, eu diria.
Vamos experimentar na Porsche, Paulo? É só marcar que vamos até lá juntos pegar uns joguinhos, e é bom levar um durômetro portátil para montar jogo com jogo.
Nessa não fui, mas nas próximas... Com certeza, pois só faço Bodas de Ouro daqui a 25 anos, portanto...
"Leio mas não escrevo"
Claudio Ceregatti

M disse...

Ceregatti,
Hum...2 anos ?
Depende muito de como foram armazenados.
O correto é longe da luz (usar sacos de lixo preto é uma boa) em lugar seco e sem variações de temperatura.
Mas desconfio que estes pneus só servirão para fazer barragem ou muro de arrimo.

LP560.4 disse...

SAHIB!

eu tenho o video da largada da bateria em que o "FILHOTE"(se permitem que o chame assim)aparece largando e consegui pegar o perfil dele inteiro, diga para onde mando para que se você quizer postar ai...
trem os da 1ª e 2ª vlts tambem...
ja que o percauso aconteceu na 3ª..

Primo disse...

A turmao nao é fraca nao.
Forza !!!

SAHIB disse...

LP560.4 mande para o email do Saloma...

F250GTO disse...

Templo com corridas, rever os amigos e ainda com comparsa na pista, não tem preço.
Mesmo com problemas de pneus, o Fuscone e a dupla Buguer/Paulão mostrou raça na pista.
Na próxima, já bem melhor calçado com certeza vai pras cabeças.

Gilles disse...

Agradeço os amigos comparsas pelo prestígio no Templo, fato esse que deixou extremenate feliz.

Peço dsculpas apenas por não poder ter dado atenção a todos como merecem, porque em dia de corrida por mais que tentemos não conseguimos nos desligar do que enfrentaremos bem como não conseguimos dar um freio na ansiedade.

Mas gostaria de contar com todos os comparsas lá tendo a certeza dos que não puderam lá estar que fizeram muita falta.

Na próxima, se tudo correr bem, espero poder recebê-los como merecem.

Abraços especiais ao Eric, Saloma, Rodrigo e Belair pelo notável desempenho na regularidade, e a todos que enfrentaram o mau tempo, chuva, distancia, etc..para ir ao Templo.

SAHIB disse...

Gilles, digo e repito, a cordialidade da dupla comparsiana da barata tedesca, foi o máximo, é claro que queremos vê-los no topo do pódio...voureciclar os adesivos no tamanho correto, ok!

Gilles disse...

Quanto a corrida em sí, tudo começou na quinta feira, com o envio do carro ao Templo onde nosso mecanico chefe, mecanico assistente, mecanico borracheiro, mecanico polidor, mecanico funileiro, mecanico adesivador, mecanico mecanico de codinome Ganso , o recebeu com a ajuda do vice tudo isso aí, de alcunha Celso.

Carro no box, primeiro preparativo,a desmontagem completa do semi eixo,junta homocinética, para uma verificação do estado e reengraxamento.

Retiradas as peças, tudo absolutamente em ordem, lubrificadas e remontadas, passamos ao reaperto geral dos pivôs dianteiros, que não apresentavam folga.

Passamos enão ao motor com desmontagem e limpeza do filtro de ar e adição de 1 litro de Mobil 1, e desmontagem do spoilerzinho dianteiro que eu foi quebrado no desembarque do carro para conserto, pintura e recolocação no lugar.

Nesse meio tempo, com o céu cinza grafite metálico prenunciando o péssimo clima daquele dia, fomos então ao box da Yokohama que estava lá montando os pneus da GT3 Cup Challenge, que fazia seu treino de pré temporada, e compramos um jogo de pneu com configuração média, por que o soft apesar de aderir bastante ão aguentaria as duas baterias e o hard deixava o carro muito duro com a traseira escorregando excessivamente, e que, embora seja a característica do carro, não vale a pena aumentar esse comportamento.

Então, com um jogo já usado faríamos o treino de sexta para atestar as condições do carro, deixando os pneus novos para a classificação de sábado de manhã e também para as duas baterias do dia.

Na reserva, 1 jogo de chuva Michelin para o que parecia inevitável.

Neste treino, o carro demonstrou-se perfeito nas condições mecanicas, mas instável com os pneus usados,e com o motor um tanto quanto gordo parecendo não ter aceitado bem a Podium que colocamos.

Tentamos algumas variações com outros pneus que tinhamos, sem resultado efetivo, o que nos deixou na condição de somente os calçando com os novos poder saber até onde poderíamos chegar, que viria somente ocorrer no dia seguinte, já na classificação de vez que não haveria um treino antes.

Esgostamos e drenamos o tanque e nos deparamos com uma gasolina um tanto quanto alcoolizada, inobstante ter sido comprada sempre no mesmo posto de confiança (agora não mais).

Saímos do autódromo com galões de 50 litros (2) e fomo comprar gasolina num posto indicado pelo velho amigo Manelão, combustível esse que só na aparencia e no cheiro já se demonstrou superior ao anterior.

Descarregamos a gasolina, repassamos os horários e ficamos de nos encontrar no dia seguinte já para a classificação a ser obtida pela experiencia, expertise e competencia do Sergio Burger.

Existem alguma observaçõe que são valiosas no comportamento das pessoas. Por exemplo a iniciativa dos nossos mecanicos que revisaram o carro novamente e já durante a noite de sexta o fazendo funcionar com a nova gasolina, que fez o escapamento ficar branquinho como deve, demonstrando que o motor estava agradecendo a troca.

Outra é a competencia e o conhecimento que somente alguém com muita bagagem de corrida pode agregar.

E isso veio com o Sergio.

E lá vai ele para a classificação, e antesda primeira passagem já para nos boxes e pede uma recalibragem, havia saido com 21 nas quatro e já sabia o quanto queria em cada um dos pneus.

Nova saída, e na primeira volta válida, marca o terceiro tempo com 1.46:57, ficando atrás do Beto Posses com seu Astra V8 de 700 cv e da Maseratti Light, com seus mais de 500 cv.

O lugar enfim que nos caberia no grid, face a diferença dos carros.

Nova parada, com o Sergio reclamando de que em aceleração o carro estava querendo escapar das mãos. Mesmo assim saiu, sem que nada houvesse sido constatada, virou 1.44.87, ficando atrás da dupla mas bem a frente das Maseratis Trofeo.

Parou nos boxes novamente antes de 15 minutos de treino e disse que o comportamento havia piorado insistindo em nova verificação das suspensões, etc.

Eu fui para trás do carro que quando foi levantado apresentou o pneu traseiro direito com uma deformação, uma bolha gigante inexplicável...praticamente metade do pneu tocava o solo enquanto a outra metade o levantava...uma coisa absurda.

O treino acabara alí, e então começou a busca por uma solução ou seja como e onde obter outros pneus.

Nessa hora aparecem dois tipo de gente. Os interessados em ajudar de qualquer forma (apareceram pneus de todo jeito, mas nenhum que se enquadrasse na nossa necessidade) e os urubus (aqueles que ficam esperando a carniça com aquela cara de "f...m-se.

Então, reunidos, decidimos trocar apenas o pneu deformado pelo pneu utilizado no dia anterior, em que pese a diferença de altura, diametro face desagaste, mas que nos deixava, e apenas a nós, a obrigação de conduzir o carro com um certo cuidado.

Compensamos a calibragem do pneu antigo em relação ao mais novo com menos 1 libra e fomos em frente.

Largando em terceiro,na entrada do S do Senna o Sergio já estava em segundo, deixando a Maserati Light para tras e ainda conseguindo a segurar por uma volta inteira, tendo sido ultrapassado inapelavelmente na volta seguinte, mantendo-se num confortavel terceiro lugar, espreitando a briga dos primeiros e mais de 10 segundos a frente do quarto.

Por conta da briga dois primeiros, acabou por se aproximar do segundo colocado, quando de repente sumiu da pista. Repassando cada trecho, nada dele. Seria um novo Triangulo das Bermudas ? Teria sido abduzido ? Eram os Deuses Astronautas ?

Como nenhuma resposta apareceu, procurei um local mais alto e finalmente o localizei parado no meio da reta principal, e como estava fora do carro me tranquilizei e aguardei o fim da prova e volta aos boxes para saber o que acontecera.

E a noticia que veio nos trouxe a certeza de que haviamos entrado em uma barca furada ao adquirir os pneus, uma vez que havia estourado o outro pneu novo.

Novas conversas, averiguações e a decisão então de colocar o outro pneu usado na traseira refazendo o jogo dos treinos.

O carro estava perfeito e nada mais havia a fazer a não ser encarar a ultima fila do grid.

E lá fomos nós, duas voltas e apresentação,luz verde acesa, segunda marcha e pé cravado já deixando para trás os competidores das categorias menores e tentando me aproximar dos dianteiros.

O carro estava otimo, os pneus aguentando, então vamos em frente, escalando o pelotão até que lá pelo meio da prova uma Maseratti perde o freio na reta dos boxes e entra direto no muro de pneus da Curva 1, acidente feio, deixando uma nuvem branca imensa que zerou a minha visão.

Nesse momento me senti em um Super Speedway da NASCAR tendo que escolher um lugar no meio da nuvem para passar com visibilidade ZERO.

Optei por passar por cima por que achei que haveria mais espaço para alguma manobra no caso de necessidade (não sabia o que tinha acontecido até então).

Ufa !!! passei e aí então com Safety Car me vi na terceira posição na geral e em segundo na categoria, mas com um Golf retardatario na minha frente, sendo portanto o quarto na fila indiana.

Duas voltas pra respirar, esfriar o carro um pouco já com a maligna ideia de passar os dois a minha frente na relargada, tentando encostar no primeiro nem que fosse para aparecer na foto do Rodrigo Ruiz.

E aí entrou o fator inexperiencia, reconheço. Pilhado, adrenado,com tudo o que passamos, com a recupreação na prova, não me lembrei da recomendação do Ernesto (Diretor da Prova) no briefing matutino que disse que na largada a ultrapassagem estava liberada antes da linha mas que na RELARGADA somente após a mesma.

LUZ VERDE..soquei o pé de novo repetindo a manobra da largada e ultrapassei o Golf 1 metro antes da linha.....f.....!

Grudei na traseira do segundo eno meio do S do Senna, nova inexperiencia, não me toquei do óleo deixado pela Maseratti e atravessei legal, não rodando sei lá por que...mas perdi contato com o segundo e trouxe o quarto o quinto e o sexto pra cima de mim.

Briguei com os tres fui ultrapasado, ultrapassei de volta, teria nova briga para voltar ao meu posto, já animado de novo mas sentindo que a traseira tava arisca por mais óleo..achei que o pneus tinha ido embora, quando passando pela reta recebi a placa TP...fora punido com um Time Penalty pela relargada..e aí ví minha corrida ir embora.

Foi um fim de semana intenso, enfrentando tudo de bom e tudo de ruim que uma corrida proporciona, onde mais uma vez pude aprender inumeras coisas e principlamente me abriu os olhos para muitas coisas e pessoas que pretendo agora utilizar no futuro.

Mas sei também que corrida é um esporte ingrato e que por muito menos vc pode perdê-la e que o importante foi, a final, ter a presença das pessoas que estimo ao meu lado me dando força para o enfrentamento da próxima etapa.

PacMan disse...

Parabéns Dr.Não sabia que tinham já passado por tantos percalços,pois como voce mesmo disse,não deu nem para conversar direito.Mas a próxima será melhor, tenha certeza.Eésempre muito legal ler seus "relatórios".Grande abraço.

JackSpeed disse...

caramba os comparsas estão com moral!parabens a dupla,tudo muito legal!uma beleza o carrinho!!

911 Turbo disse...

Eu sou suspeito para falar...mas sendo meu amigo correndo e ainda de Porsche,sempre estarei lá para o que der e vier.

E se possível ajudar.

Corrida é assim mesmo Paulão.

Forte abraço.

regi nat rock disse...

É sempre uma delicia ler relatos ricos em detalhes para poder aquilatar o tanto de adrenalina que é despejada nas veias de um piloto.
Sou testemunha da preocupação do meca que fez uma 'senhora' vistoria depois do pneu destroçado, procurando a explicação lógica para o infausto evento.
Diagnóstico: pneu de merda. O carro tá perfeito, não tem uma folguinha que seja em lugar nenhum.
Tem nada não doc; fica pra próxima.

Carreras son carreras, acho que já ouvi isso em algum lugar

Gilles disse...

Eu sei da paixão que nos movimenta e por isso cada detalhe é importante.

Portanto, na próxima prova, quero que meus comparsas venham aos boxes, acompnahem o trabalho, perguntem o que quiser,sintam-se em casa.

E ainda espero recebê-los decentemente com uns sanduichinhos e bebidas. (Empada e cerveja não !!)

vitão disse...

Gilles, como disse Fangio, carreras son carreras. Pelo menos foi só pneu e não o carro que pegou fogo né? Força, luz, e pé n porão.....

Anônimo disse...

Relato completo, nobre causídico!
Quando corri tambem despejei cada detalhe (mas faz tempo e era de FSpeed).
O FG tambem descreve, mas é curtinho e pulou de DKW para Lada sem escalas.
Mas de Porsche é diferente!
Carro de verdade, rápido de verdade, sonho de consumo dos mais de 100 pilotos que estavam no Templo, sem dúvida. Os que dizem "não" mentem, ou então não sabem o que dizem...
Mas tá muito estranho esse pneu e o ocorrido.
De novo tá de pé a oferta dos Pirelli. Talvez sejam um horror, não tenho a menor idéia.
Mas penso que vale uma experiencia num dia de treino, pra ver como se comportam.
Não estive lá, uma pena. mas garanto que pelos próximos 25 anos não vai surgir compromisso igual.
Prepare-se portanto para a minha babação e assédio irritante e costumeiro.
Grande abraço.
"Leio mas não escrevo"
Claudio Ceregatti

Primo disse...

Puraquepariu, que orgulho ser comparsa de feras como vcs...forza !!!

Gilles disse...

Pé de Chumbo : é sempre um grande prazer ir à Curitiba e em nossa próxima aparição por aí te aguaradaremos nos boxes ok ?
Abço grande

Cuore Sportivo disse...

Grande Gilles! Vamos para a próxima!