quinta-feira, 7 de maio de 2009

0 KINDLE DX SERÁ O SALVIDAS DOS JORNAIS?


Os jornais estão em crise.
As versões online estão canabalizando os periódicos impressos das grandes instituições jornalísticas. A capa de uma edição recente da revista Time perguntava: o que poderá salvar o
seu jornal?

O problema é tão grave que o diretor de conteúdo do Estadão, Ricardo Gandour, defende que o conteúdo dos jornais online deve ser fechado.
Todos os jornais devem fechar o conteúdo gratuito e passar a cobrar. Senão, será a morte do jornalismo (via Comunique-se).


A defesa é contundente e polêmica. Contudo, é preciso lembrar que mesmo que os jornais impressos venham a desaparecer, o jornalismo não irá desaparecer. Nós precisamos do jornalismo. A sociedade, a política, a cultura dependem do jornalismo. Mas ele não é sinônimo de jornais.

+ aqui...

(reprodução)

5 comentários:

SALOMA disse...

vai, porque o cabra que inventou a bagaça, já tem direcionado para o Kindle DX, 3.300 jornais e números iguais de revistas...esse Jeff Bezos da Amazon, a promeira livraria on-line não é fraco não!

Jovino disse...

E como consequência, as bancas de revistas estão falindo e partindo para outras atividades como conveniências.
Jovino

jonny disse...

De hj, no BlueBus:
1 novo jornal diario em Portugal, na contramao da tendência mundial veja
Fui lá pra ver se era verdade e dar uma conferida no I - o novo jornal que está nas bancas hoje, aqui em Lisboa. Custa 1 euro (quase dois cafezinhos) e nao sai aos domingos. Dá emprego para mais de 70 jornalistas e logo de cara, na primeira página, um assunto que vai tirar os sonhos e o trabalho de muitos veja abaixo. Também pode ser lido, visto e revisto em www.ionline.pt. Em tempo - a senhora da foto é a minha jornaleira

http://www.bluebus.com.br/show/2/90281/1_novo_jornal_diario_em_portugal_na_contramao_da_tendencia_mundial_veja

jonny disse...

O CEO do grupo Publicis, Maurice Levy, disse esta semana no Fipp World Magazine Congress que o modelo de negócio dos meios impressos está "quebrado" e que os editores têm que tentar criar o seu equivalente ao iPod, em vez que esperarem que os investimentos em publicidade voltem.

Levy disse que ainda há futuro para os meios impressos, mas que será preciso um "pensamento inovador" para que se quebrem tradições e clichês, permitindo para que estes meios voltem a ter sucesso.

Levy aconselhou editores a não esperar para ver 'no que vai dar' e tentar adaptar-se imediatamente para sobreviver.

"A circulação de jornais e revistas vem caindo há vários anos e não há pacote de estímulo que consiga acabar com esta tendência de longo prazo. Quem acredita, honestamente, que os jovens, que são nativos digitais, troquem os computadores, iPods e celulares para voltar à imprensa?", questionou.

Levy disse ainda que o panorama negativo da publicidade nas revistas e jornais não vai mudar até 2011 e que os editores não devem esperar medidas filantrópicas dos anunciantes, que estão investindo cada vez mais nas mídias digitais.

"As revistas detêm aquilo que é o mais importante para ter sucesso no mundo dos meios de comunicação e, particularmente, na internet: o conteúdo", disse, revelando que também os meios impressos têm que encontrar novas receitas online.

Leia anterior sobre Guardian e internet aqui.

As infos são do Briefing.

Fonte: http://www.ccsp.com.br/ultimas/noticia.php?id=39190

roberto zullino disse...

Esse Gandour é um idiota, quem colocou os jornais na net foram os mesmos que agora querem fechar.
Quem precisa de jornal impresso hoje em dia? Só pobre ou burro, um não tem acesso digital e burro sempre usou jornal só para limpar o cú, tarefa meritória para a maioria da mídia impressa. A digital é tão ruim quanto, mas não tem esse atributo limpatório de cús alheios.
O jornalismo brasileiro para ficarmos aqui mesmo é risível. Vejam o que fazem os ditos especializados em automobilismo: estão tomando baile de "amadores" da internet no KERS e em características técnicas dos carros. Passaram a vida inteira falando de cuecas de pilotos e fazendo matérias dignas de Caras, agora a casa caiu e todo mundo já percebeu que são uns vagabundos que nada sabem e se aproveitam de uma posição ou diplominha.
O jornalismo nasceu da corrupção e suas origens são corruptas, jornais nasceram para chantagear alguém ou influir em alguma coisa a mando de algum grupo, a maioria no início sequer era vendida. Folhetins falando mal do rei existem há mil anos ou mais. Até em Roma existiam coisas semelhantes.
Inventaram uma aura de dignidade absolutamente mentirosa. Jornal que precisa de receita de venda está traindo as origens, sendo mentiroso e incompetente, jornal tem que ganhar grana extorquindo que é o que sempre fizeram. Para extorquir e chantagear, o melhor é terem a maior divulgação possível e a internet ajuda. Quanto mais "exposure" tem, mais podem cobrar pela chantagem e pelos ditos "anúncios" e propaganda.
Portanto, meus caros, ninguém vai sair da internet e nem fechar nada, só os burros farão isso.