quarta-feira, 4 de março de 2009

TRADIÇÃO É TRADIÇÃO

O vídeo de ontem sobre o recorde de drift levantou uma questão antiga sobre os carros americanos: Por ter sido baseado no Falcon, algumas pessoas não consideram o Mustang fabricado na década de 60, um verdadeiro carro esporte. Outros vão além, dizendo que o carro não freava, tinha uma péssima estabilidade e seu câmbio automático era um verdadeiro desastre. Muitos têm restrição até aos modelos atuais, com suas carrocerias enormes e motores de até 6 litros. Para os puristas, os únicos carros esporte legítimos são os europeus e olhando a foto ao lado fica difícil de discordar.


(Reprodução)

25 comentários:

M disse...

As fotos mostram o óbvio !

911 Turbo disse...

Qualquer um desses dá um banho em um Musta 68.....

Gilles disse...

Tudo bem, mas se quiserem deixar um Shelby na minha garagem fiquem á vontade....

Buonanno disse...

911 Turbo você tem que comprar essa Alfa e guardar para a Giulia.

Roberto Zullino disse...

Não adianta se enganar com as aparências. O Mustang, notadamente os até 68 são bonitos, mas é só.
O M já falou tudo, é só ler o livro do Iaccoca em que ele candidamente indica que o carro era um Falcon reciclado. Durante muito tempo foi o chamado "carro de secretária".
Foi uma mudança na filosofia de apresentação do mesmo produto. O MacNamara e sua turma da Navy construiram o Falcon baseados na funcionalidade, coisa bem anos 50 e coisas de engenheiros da Navy, a forma segue a função, o consumidor que obedecesse as normas da Navy. O Iaccoca modificou a forma, pois identificou que o mercado estava mudando com consumidores saindo do conservadorismo e demandando produtos que mostrassem um estilo de vida mais moderno, mas é estilo apenas, aparência. A mesma coisa fez a Harley Davidson tempos depois. A Harley não vende motos, pois não fabrica motos que prestem, a Harley vende um estilo de vida. O executivo compra uma Harley mimetizando um Hell Angel no final de semana. Nada contra, cada um com seus "pobremas".
Os Mustangs normais são bons carros para as condições americanas, são macios, andam bem, mas não passam de sedans familiares com uma casca, jamais poderiam ser considerados carros esporte. Os mais parrudos não passam de carreteras.
Assim como as Harleys, alguns Mustangs são dignos de lugar em garagens ou salas. São bons enfeites, eu gostaria de pendurar uma Harley na sala e ter um Shelby 500 na garagem, essa é sua função mais adequada, enfeite.

Buonanno disse...

Valeu Zullino! Disseste tudo.

Aliás a idéia do post surgiu ontem depois dos seus comentários mais os do M e do 911 Turbo.

jcesar disse...

Sei, Mustang não é um esportivo. Lembrei do post lá do Blog do Saloma, sobre o Mustang que correu nas 1000 milhas nos anos 90... O pessoal tá misturando "super-esportivo" com "esportivo"... Porsche e Ferrari são super esportivos, Mustang é apenas um caro esporte. Basta comparar os preços de cada um, somente isso basta para ficar evidente as diferença de categoria...

vitão disse...

Acho que tem que se fazer algumas consideraçòes. OS carros europeus eram pequenos e ágeis devido às caracteristicas das estradas européias, enquanto os americanos eram grandes e pesados, mais apropariado ao gosto americano. O único carro esporte americano era o Corvette, que só tomou jeito na atual geração e é capaz de espancar quase todos os europeus. O que os americanos conseguiam era dar desempenho esportivo aos seus carros, mas que tinham concepção diferente. É claro que não dá para comparar os carros, mas é sim possível fazer os carros americanos terem desempenho semelhante aos europeus. E alguns carros americanos são bem interessantes, como um Shelby Cobra, ou o mustang boss, ou o camaro 428. Eles fazem frente a qualquer esportivo europeu da época. Agora, um mustang 279 é outro propósito.
Os então os atuais KC 500 GT ou Corvette ZR-1 são excelentes, e tradição é desculpa pra nobre falido, porque o mundo anda pra frente. Se nao fosse assim ainda estariamos andando de caravelas. E os ingleses se apoiaram tanto na sua tradição que a industria foi varrida do mapa, e o que sobrou pertence aos indianos. Bela porcaria! Eu não gosto do argumento tradição porque voê tem que se provar todos os dias, tradição não põe comida na mesa.

vitão disse...

Ah, ia esquecendo, foi justamente a tradição que levou o sr. Ferrucio a fabricar automóveis, porque o dele era uma senhora BOSTA !

M disse...

Xííí...
Isto aqui virou o samba-do-criolo-doido !
Os conceitos do jcesar para carro esporte, super esporte ou mais do que esportivo, são hilários !
NENHUM big-block americano pode ser chamado de carro esporte !
Eu acho que carros que tem eixo rígido são melhor classificados como caminhonetas ou utilitários.
Agora o Camaro 428 do Vitão me assustou ! É um "special-order" ?
O motor 428 era da Ford, e o motor V8 do Musta era 289.
Já o Cobra não pode ser considerado americano. É um AC inglês.
Na verdade, a Ford bem que tentou fazer um esportivo em 1955, com o Thunderbird. Só que errou na mão pelo tamanho. Não convenceu, e piorou ainda mais quando pendurou o ridículo kit Continental no parachoque traseiro.
A GM, com o Corvette, foi por anos a única que se manteve fiel ao conceito, apesar do tamanho e do chassis de caminhonete.
Até que, em 1984, a divisão Pontiac lançou o Fiero, um dois lugares com motor entre-eixos, dentro dos melhores parâmetros de um verdadeiro carro esporte !
Infelizmente, o Fiero foi atropelado pela invasão dos japoneses baratos, e só ficou em produção até 1988.
Mas a Pontiac voltou bem com o Soltice.
Todos os demais americanos, de esportivo só tinham os nomes e as faixas !

M disse...

SOLSTICE, sorry !

Roberto Zullino disse...

Agora lembro porque fiz a confusão do automático duas marchas. Era do Thunderbird 55, coisa medonha.
Uma vez tive que levar um para o Janos da minha casa até a casa dele. O carro estava perfeito, totalmente restaurado, mas era uma merda total.

vitão disse...

M , como diria Jack, o estripador,vamos por partes :

1- o motor era mesmo 279.
2- o motor da ford (GT 40 e Cobra) era 427.
3- o camaro era 454 .

Feito isso, acho que são assuntos diferentes . Desde quando eixo rígido caracteriza carro esporte? A maioria das Ferraris da década de 60, a Alfa, O JAguar anterior ao E-type, todos os MG, tinham eixo rígidos com molas semi-elipticas, então o problema não esta no conceito, mas na aplicação, que certamente os americanos eram diferentes. Os americanos nunca entenderam e nunca quiseram entender o que faz um carro esporte, além das faixas é claro, mas o cerne da questão é se a tal "tradição" justifica tanta porcaria, e se com um pouco de desenvolvimento você pode ter um carro com desempenho esportivo ou não. E concordo quand ovocê diz que os aqmericanos tiveram poucas tentativas e quase nenhum sucesso na aplicação do conceito, mas o assunto aqui e'tradição, que pra mim é nome de papel pra limpar a bunda.

M disse...

TUDO ERRADO !!!!
1.- O motor do Musta era 289.
2.- A Ford fez 5 motores parecidos-mas-completamente-diferentes: 2 427, 2 428(Cobra-jet) e um 429.
O melhor é o 428 Cobra-jet.
3.- O primeiro Camaro de motor grande foi o Yenko, com motor 427 da Corvette.
4.- O Camaro 454 foi o Z28, que apareceu muito depois.

Tanto a Ford como a GM fabricaram motores 427, ou 7 litros, que era o limite máximo permitido para a NASCAR na época.

jcesar disse...

para facilitar, tem gente aqui tentando comprar Corcel GT 1.4 (mustang) com Maverick GT 302 (super-esportivo europeu)... Evidente que não tem como comprarar os super-esportivos europeus com carros esporte de linha ... E como querer colocar na mesma classificação um Opala 250 SS contra um Porsche 911, ambos da decada de 70... Comparem o preço de um Mustang da decada de 60 com um esportivo europeu da mesma decada. Comparem a quandidade de veículos vendidos. A proposta de cada um (mustang x europeus) e totalmente diferente...

911 Turbo disse...

A minha filhota Buonanno se chama Giulia por causa da Alfa.Acho lindo esse nome e até a grafia é igual.

Tudo uma bosta esses esportivos americanos.....tudo mesmo....ultilitários desfarçados....exceto Corvettes novos....

Buonanno disse...

911 Turbo eu me lembrei disso quando coloquei a foto dessa Alfa.

M disse...

jcesar,
VC está perdendo grandes chances de não falar bobagens !!!!
Para sua informação, e para não estender muito, um Mustang "GT" em 1965 custava exatamente o mesmo que um Jaguar E-Type.
Se ainda não entendeu, verifique os prêços dos TR4 e dos MGB: Custavam a metade !
Entendeu agora como americano é babaca ????
E agora chega, tá ?
Cansei de vc por hoje...

jcesar disse...

OK, mister M... vamos fazer uma campanha para "reciclar" todos os mustangs existentes no Brasil e no mundo... Bobabem é querer comparar Lambretta com Ninja 1100

Roberto Zullino disse...

M,
Desista, acho que o post está bem feito, mostra bem o conceito de carro esporte e as explicações já foram dadas.
Chamar o Mustang de carro esporte seria desmentir o Iaccoca que foi quem fez a bagaça.

jcesar disse...

Roberto, mas é isso que eu to tentando dizer... Não tem como comprar Mustang com Porsche/Ferrari/Alfa/Jaguar... e como tentar comprar Opala 250-S com uma Ferrari GTO... São carros de categorias e pedigree diferentes

M disse...

Zullino,
Obrigado, mas deixa prá lá !
O pior cego é o que não quer ver, né ?

Roberto Zullino disse...

Da próxima vez explique melhor e sem conceitos neologizados tipo super esporte, o que existe é esporte e gran turismo.

O problema também não é preço.

O Mustang é um humilde SEDAN com roupa de esportivo, uma bela roupa sem dúvida, mas apenas uma roupa.

Para comparar com carros baratinhos, peguemos um TR4 ou um humilde MGB.

Custavam a metade ou menos e eram incomparáveis no desempenho.

Batiam no Mustang até no céu da boca, no máximo perdiam nas retas e mesmo assim enquanto os Mustangs não ferviam. Para enfrentá-los, o dono de um Mustang tinha que gastar uma boa grana em acessórios do tipo freios, radiador maior, bomba e suspensão e mesmo assim não garantia muita coisa.

Só restou à Ford anabolizar o "carro da secretaria" fazendo carreteras.

Entendeu? Se não entendeu eu não vou desenhar que também me cansei de vc por hoje.

Helio Herbert disse...

M e R.Z. acho que temos mais um Ferrarista na parada...

F250GTO disse...

O problema do americano já começa com o tamanho dos carros.
Logo após a guerra, ele ficaram apaixonados pelo MG e Jaguar XK 120.
Olharam para o próprio quintal e só tinham aqueles sedans mastodonticos.
Esportividade zero!
Em 53 fizeram o Corvette (um carro pequeno pra eles) erraram a mão com um motor 6 cilindros depois corrigidos por um V8.
Em 55 a Ford veio de Thunderbird (tambem pequeno pra eles) mas já com um V8.
Só que o carro foi tomando fermento aumentando de tamanho até se transformar num gigantesco 4 portas.
E a esportividade foi pro saco tambem.
Nos anos 60 outra tentativa com os chamados carros compactos, Falcon, Comet (Ford) e Corvair (GM).
Fiasco de novo, o Corvair então nem se fale...
E o Falcon gerou o Mustang em 64.
Que tambem cresceu em tamanho, foi perdendo o carisma até que em 74 nova tentativa de diminuir o carro acabou por enterra-lo de vez.
Ainda em 67 e 68 alguns carros tiveram relativo sucesso embalados pela onda dos Pony Cars, o Camaro (GM) e o Cougar (Ford).
Pouco depois outras tregédias: Ford Pinto e Chevrolet Vega
O Mustang ressurgiu recentemente com algum charme, por conta de uma recriação sobre o 68 que como foi dito aqui, era apenas um carro bonito.
Mais recentes os Pontiacs Fiero (cadê o seu, M?) e o Solstice (esse sim, um carro que eu acho interessante).
Mas se formos pensar só nos anos 67e 68, vamos lembrar de Porsche 911, Alfa Romeo (GTV, GTA, Duetto,) Jaguar E Type, Austin Healey, Tryumph, Lancia (HF, Fulvia)... por motivos óbvios nem vou falar de FERRARI...