domingo, 20 de setembro de 2009

ÍCONES X COLEÇÕES


Todo mundo tem guardado na gaveta, uma caixinha de fósforos, um guardanapo com o autógrafo de alguém (artista, esportista, político, etc...) uma flor perdida no meio de um livro, que remete a uma lembrança marcante de um momento especial.
Lá no Blog Do Mestre Joca, surgiram uns comentários a respeito da luva que José Carlos Pace deu ao Bird Clemente, quando da sua única vitória na Formula 1, ocorrida em Interlagos.
Bird colocou a preciosidade num quadro em lugar de destaque em sua sala de troféus e considera o maior presente de sua carreira vitoriosa, pois foi o reconhecimento do campeão mundial que não teve oportunidade de ser, em razão de um acidente aéreo, a um dos maiores pilotos de nossa história.
O que nos leva a dar tanto valor a um objeto inanimado que, de repente, se transforma num tesouro inestimável? Qual é o seu ícone?
(Postado a pedido do Regi, que depois do niver não lembra da senha de editor! ai, ai, ai...)

12 comentários:

Primo disse...

Muito bem vindo o assunto, carecone.
Já comecei trocentas coleções, muitas se perdem no meio do caminho, mas alguns pertences merecem lugar cativo, nem que seja no fundo de uma gaveta.
Minha coleção de Playboy é historica, incluindo a numero 1, com a bela e distinta Livia Mund(esposa de seu amigo, com todo respeito) no poster.
Mas dentre tantas coisas q se perderam, uma fita ´´apache´´ do show dos Stones repousa tranquila na gaveta, ao lado de um ícone dos mais representativos para mim: um pedaço do muro do Berlim, q recolhi em breve passagem pelo velho continente, em 1990.

Legere51 disse...

Pois é Racer, é o alemão dando o ar da graça.
Ficou sensacional.

RACER X disse...

Legere??quem és tu? e o que ficou sensacional???

F250GTO disse...

Huuummmm! Tenho uma vaga impressão de que sei quem é o misterioso Legére 51...
Mas deve ser muito bom poder olhar todos os dias para um troféu como aquele da parede do Bird.

Anônimo disse...

Interlagos 1975, um calor de cozinhar ovo no asfalto. .
Ja na largada o Moco colocou por fora do Regazonni, entre a 1 e a 2, e deixou as 2 Ferraris para tras, saindo no retão em terceiro. E eu em extase ! Poucas voltas depois (já nem lembro quantas) foi a vez do El Lole ser ultrapassado inapelavelmente, na freada do fim do retão. Mas o Shadow do Jarier corria em outra divisão, e foi deixando o Brabham BT 44 pra trás. Pensei: Droga, ainda não vai ser hoje... De repente, na 34° volta, um urro em unissono por todo Interlagos, e com o Jarier parado na pista, o Moco aparece em primeiro. Meu coração deve ter passado das 200 batidas por minuto. A sede passou na hora (já não tinha mais nada pra beber no autodromo !). TEM de ser hoje, pensei. Mas o BT 44 já não era tão rapido, vinha balançando muito nas curvas. Seriam os pneus, ou os amortecedores, ambos problemas cronicos daquele lindo carro . E o pior, o Emerson vinha forte, numa recuperação daquelas implacaveis, bem ao estilo dele. Depois que o Emerson passou o Rega e o Lauda, comecei a controlar a diferença no cronometro. Tava caindo !!! Mentalmente, pedi pro Moco acelerar só um pouquinho. O cronometro me mostrou que, apesar do carro já com jeito de doente, ele ouviu o meu pedido. Veio um pouco mais rapido, mas o suficiente para garantir a liderança nas voltas finais, e a Vitoria. AFINAL, foi feita justiça a um dos mais rapidos pilotos da epoca. Lá do Sargento eu não vi ele cruzar a linha, mas um novo urro da multidão e o BT44 surgindo entre a 1 e a 2 com a luva Vermelha do Moco no ar era o sinal ! Mesmo com tanto calor, a agua escorria aos cantaros pelo meu rosto, mas não era o suor que já tinha secado a muito, naquele estado de quase insolação. Era um mar de lagrimas de alegria pela vitoria tão sonhada.
Não vi o podio de onde eu estava. Não vi mais o Moco. Mas também não saí de Interlagos, pois queria ficar por ali, abraçando um monte de gente que eu nunca tinha visto antes, muitos vestindo uma maravilhosa camiseta, que eu gostaria de estar usando na hora, escrito: TORCIDA DO PACE.
Apesar de toda sede, fiquei ainda mais de 1 hora em Interlagos, curtindo aquela vitoria fantastica, e agradecendo aos ceus que ela tivesse vindo logo ali, no Templo. Não foi da forma que que eu gostaria, acachapante, mas foi da forma que deu. O Moco venceu a primeira, que já estava prometida desde a Argentina, quando ele rodou na espuma do extintor que apagou o fogo do Copersucar, logo depois de assumir a ponta (o texto que li num jornal argentino da epoca foi das coisas mais lindas, gostaria de te-lo guardado. Eles chamaram o Moco de "Pace Corazon", pela maravilhosa corrida de recuperação, depois da rodada !!! Argentino elogiando brasileiro ??? só mesmo com o Moco).
Na saida, o calor dentro da minha Variant 73, verde hippie, fazia parecer uma sucursal do inferno, mas eu me sentia no ceu, por ela ter me trazido do Rio pra assistir a vitoria de um idolo !!!
Não sei se a luva esquerda que está na parede do Bird foi a mesma que eu vi levantada, na volta da vitoria. Se era a esquerda ou direita, a memoria já não dá pra tanto. Mas, nas duvida, fica sendo ela mesma...
A luva de dedos curtos e mãos pequenas, que gerou o apelido de "mão de paca". Mãos que, pra nosso extase, sempre tiraram o maximo dos carros que guiaram.
Saber que a luva vermelha daquele dia está na parede da casa do Grande Bird, como diz o comercial do cartão de credito, "não tem preço".

Como eu disse no blog do Mestre Joca, homenagem de um Monstro Sagrado a outro Monstro Sagrado. E vice versa !!!

Aos mais jovens, que não viram o Moco correr, o meu recado: leiam o livro "Jose Carlos Pace - Um campeão mundial sem titulo". Nunca um livro teve um titulo tão apropriado.

E leiam também o livro do Bird, cujo titulo deveria ter sido: "O Rei de Interlagos" !!!!

Saudade do Moco. Ainda bem que ainda temos o Bird !!!!

Antonio Seabra

regi nat rock disse...

Uma desengonçada cibernética deu o ar da graça e apareceu no lugar do meu nome, o meu ícone, aí na fotinho.
O Romeu matou de prima, mas o texto do Seabra, arrancou lágrimas dos meus olhos.
Que amor desmesurado e inebriante pelo Ícone Pace.
Que fez por merecer tantos adoradores.
Eu estava lá também.
É, foi, inesquecível.
Parabens Seabra.
Obrigadão Racer.

regi nat rock disse...

A foto é de minha autoria, com a autorização do Bird. Tenho outras também daquela saleta mágica.

Dizer mais o que? Com 6.2 no lombo, completados ontem, sou um privilegiado por conviver com os maiores dos nossos e ser reconhecido pelo meu nome e não apenas como um rosto mais ou menos conhecido.
Como disse o Seabra, não tem dinheiro que pague.

Anônimo disse...

Beleza esses comentarios ai em cima.Gostaria de dizer algumas coisas.Eu estava lá tb,mas no retão.Via a ultrapassagem do Moco no Reutmann na minha cara.O que nós pulamos não foi brincadeira. Depois teve as ultrapassagens do Emerson já que ele largou mau pra caramba. Passou em 7o. na 1a. volta.E depois da quebra do Jarier foi aquele Bafafá uníssono. Ai depois de tantos anos podia pensar encontrar de tudo , menos a luva do Pace justamente a da unica vitória na F1. E no livro do Bird tem a foto desta vitória na volta de desaceleração ele com a mão esquerda levantada. Incrível.Queria dizer tb, que o Bird e a Luiza foram convidados para ir no mesmo avião do voo fatídico do Marivaldo e do Moco.Chegaram a ir ao campo de Marte e desistiram na hora de embarcar. Fico arrepiado toda vez que comento este fato,contado pelo grande Bird e pela sua esposa Luiza.Os mistérios de Deus são realmente impressionantes.E por ultimo tem um fato que nenhum dos visitantes se atentaram é que da posição onde foi batida a foto do Joaquim, fica o capacete do Bird e a sua "LUVA" que ele usou , essas eu tenho as fotos aqui em casa.
Ronaldo Nazar

victor disse...

Moco e Peterson são so dois campeões sem título, mas merecem todo os reconhecimento. Talvez uma referÊncia para os dois seja o Villenueve, que tinha os mesmo estilo " bato ou venço" , mas com sem a finesse técnica. Gosto dos 3

Anônimo disse...

Roaldo,

Incrivel esta, que eu não sabia, de que o Bird e a Luiza quase foram junto !!!!
Victor: O Gilles tinha finesse sim, era habilidade purissima, so tomava um a dose de risco muito alta Também pudera, começou correndo de "snowmobile' no meio das florestas nevadas do Canada. Tem de ser locuo meesmo

Junte oesses 3 mais o Rindt, e na minha modesta opinião voce terá os 4 pilotos mais rapidos em uma volta lançada, de todos os tempos !!!! E também os mais ousados, e poruqe não dizer, malucos. Pra mim é o quanto basta !

Antonio Seabra

disse...

Ronaldão.
Histórias e verdades.
Segure a emoção seu canalha.
Falando em fotos autorizadas, o saco de maldades do FG é algo de destruir qualquer lenda que existe no automobilismo.Vamos encerrar o blog do Luizinho com uma foto mágica, para dai sim a coisa acontecer.
Certo brow Saloma ahhaha.
Beijão.
ps.Limpou os troféus que estavam no porta malas?

Mestre Joca disse...

Os amigos que me perdoem, tirei uma foto também da famosa luva do Pace, mas estava mais interessado nos troféus de El Pinar ou das Mil MIlhas de 73.

Qustão de gosto e não de importância.

Abs.